Home / Colunistas / DEMOCRACIA AINDA QUE SEJA TARDE

DEMOCRACIA AINDA QUE SEJA TARDE

Costumo ler os artigos do jornalista Arnaldo Jabor, normalmente, às terças-feiras publicadas no segundo maior jornal de Minas, O Tempo, quando não pela internet. São artigos duros, céticos, às vezes, cretino. Mas, este é o estilo do jornalista que tenta expor seu pensamento doa em quem doer como se diz no linguajar comum. Esta semana li o artigo cujo título, “Dilma e sua crise” (Jornal O Tempo, página 2M, colunas 1 a 5), que transcrevo, neste espaço, com o fito exclusivo de você caro ouvinte tomar conhecimento dessa dura e real situação brasileira, que, querendo ou não, somos todos culpados. Diz o articulista:

“Com todo respeito, presidente, acho que a senhora devia renunciar”. “Os sinais já estão no ar; os primeiros tremores de um terremoto já vibram sob nossos pés”. “Acho que a senhora não vai aguentar mais três anos em meio a este caos em que o ex-presidente Lula, o PT e o Mantega nos lançaram, fazendo o país entrar numa depressão”. “Aliás, a senhora deve estar também numa cava depressão, com um país inteiro gritando: “Fora”. “Se fosse eu, presidente, teria enlouquecido por rejeição”. Vejo seu rosto triste e tenso e me lembro da postura corajosa na sua foto, jovem, de óculos, diante de militares tapando o rosto. E vejo que um retrato rima com outro, pois sua pertinácia ou teimosia diante do impossível continua a mesma. Era impossível a vitória da guerrilha urbana, e hoje está quase impossível governar o Brasil. O fato de uma pessoa ser heroica não impede que esteja errada. Talvez a senhora tenha sido heroína, mas sei que a senhora está errada. Sei que sua agenda de esquerda de longa data a ajuda a destroçar o país em nome de uma loucura ideológica morta.

Sei que é impossível governar um país capitalista com uma cabeça comunista. Isso provoca uma esquizofrenia no poder que se alastra pelas instituições, abrindo as portas para a maior história de corrupção do mundo. E me dói, presidente, vê-la como bode expiatório dos crimes que eles cometeram.

Eles abriram mãos de suas convicções antigas, mas a senhora segue fiel a sua utopia brizolista, enquanto eles abandonam. O Lula – é sempre bom lembrar – é a pessoa mais nefasta deste país e está tramando contra a senhora, pensando até em arrumar um posto de ministério para ser julgado com foro privilegiado quando seus malfeitos se revelarem, pois tem medo de ser preso.

Além disso, petistas e aliados perceberam que a senhora está enfraquecida e resolveram ganhar prestígio te condenando. Todos querem tirar um pedacinho da senhora, pois são ratos abandonando o navio. Eram 400 aliados: hoje, só há 120.

E não adianta dar verbas e cargos para eles, nada os satisfará – vão embolsar a grana e continuar a te sabotar. Inclusive o vergonhoso PMDB traindo a si mesmo, enturmado com a bicanca voraz do Eduardo Cunha e com o cabelinho implantado do Renan, que aprovam projetos-bomba para detoná-la, mesmo que o país morra junto. Os dois investigados pela Lava Jato, aprovam medidas absurdas para aumentar os gastos públicos e se fortalecerem à custa de seu fracasso.

Sob os sons dos panelaços vi e ouvi sua fala gaguejante no programa do PT, diante da evidência do desgoverno. Suas tentativas de sorrir com simpática despreocupação são constrangedoras, e o povo nota. O país inteiro está contra Vossa Excelência, quando deveria estar contra àqueles que criaram a armadilha em que a senhora caiu. Sua resistência está muito solitária, e não basta mais declarar que resiste, como boa guerrilheira que já foi.

Sua renúncia não seria uma humilhação e só abrilhantaria sua imagem futura. A senhora teria reconhecido o perigo que corremos todos, com a devastação da indústria, do comércio e da esperança pública. E a culpa não é toda sua. Já está disseminado na população um refrão de desapreço à senhora. Já estão lançadas as bases de um impeachment… Sua saída espontânea provaria que a senhora aceita as regras do jogo que perdeu. Quando se contamina a opinião popular, para além da política, a barra pesa.

Até mesmo um recôndito machismo ressurge contra uma mulher no governo. “Mulher no volante, perigo constante”, me disse ontem um taxista. Creio que até o Lula nomeou a senhora por que era uma mulher considerada trabalhadeira  e obediente a seus interesses, até ele voltar em 2018. Será que ele nomearia um homem que pudesse contestá-lo? Talvez haja por aí um machismo sutil…

Quando Collor berrou às multidões “não me deixem só” todas as caras foram pintadas, talvez até mesmo a da senhora. E, no entanto, presidente, a era Collor foi um troco em relação aos bilhões roubados nos últimos 12 anos, por causa da porteira aberta pelo Lula para a invasão da porcada magra no batatal.

Seu grande erro, presidente, típico de tarefeira militante, foi fazer vista grossa para o despautério à sua volta. Sei como funciona: “Ah, eles são aloprados e nome de uma “linha justa”, lutar contra isso seria moralismo pequeno-burguês”.

Por isso a senhora deixou passar negligentemente a compra da refinaria de Pasadena no Conselho de Administração da ex Petrobrás, um dos símbolos intocáveis de sua juventude. Além disso, a senhora está sendo metralhada pelos dois presidentes do Congresso. Hoje, como está o país, não tem fins nem meios. Ninguém sabe mais quais seriam os meios, e não sabem com que fim.

As várias reformas que FHC deixou preparadas foram ignoradas e desfeitas, e hoje só nos resta o magro ajuste fiscal com que o pobre Levy, como um padre triste, tenta convencer canalhas e cobras criadas que nunca souberam o que é interesse é nacional.

Agora, Temer e Mercadante estão querendo conciliar, mas é tarde demais.

Vem aí a grande manifestação nacional no dia 16 (neste domingo), pedindo sua cabeça. E isso é quase um impeachment branco, o que deve provocar-lhe uma angústia insuportável. A senhora já esteve doente e tem de proteger sua saúde. Mas, em vez de fazer autocrítica, sua cabeça de guerrilheira teima em resistir até o fim. Se a senhora renunciar, vai ficar mais feliz. A senhora não é Getúlio Vargas. Além disso, sua “resistência” não é apenas uma questão pessoal. Trata-se do país que a senhora governa. A Dilma não é a Dilma – ela é a presidente do Brasil sendo desmanchada. Desista, Dilma, antes que o carro do país tenha “perda total”.

Meu ponto de vista pessoal: pelo que conheço da presidenta Dilma, a ex-guerrilheira, a ex-combatente do MR-8 contra a ditadura militar, jamais em tempo algum ela renunciará, aconteça o que acontecer. Queiram ou não queira ela lá foi colocada, legitimamente pelo voto popular e isso tem que ser respeitado, ainda que haja trovões, trovoadas, chuvas ou tempestades, não é mesmo? Com Dilma a democracia brasileira dá mais um passo para a sua perfeição. Pensem nisso.

Fonte: Marcos Evangelista Alves – O Gabiroba

Por Itafatos

Scroll To Top