sábado , 21 outubro 2017
23 de abril de 2013

Müller decide, Bayern engole o Barça e dá grande passo rumo a Wembley

Meia-atacante marca duas vezes e participa de outros dois nos 4 a 0 dos bávaros na Allianz Arena. Catalães, com Messi, precisam agora de milagre

Um caminhão chamado Bayern de Munique atropelou o time de maior sucesso na Europa nos últimos anos. Se ainda é cedo para falar numa nova era no continente, ao menos os bávaros têm a convicção de que estão muito mais próximos de sua terceira final da Liga dos Campeões nos últimos quatro anos. Em grande noite de Thomas Müller, autor de dois gols e decisivo nos outros dois, a equipe treinada por Jupp Heynckes engoliu o Barcelona na Allianz Arena e, com vitória por 4 a 0, praticamente garantiu presença no lendário Wembley no próximo dia 25 de maio. Fora o baile.

Apesar da apagada atuação mesmo com maior posse de bola (63%), o Barça tem motivos para reclamar da arbitragem, já que Mario Gómez estava impedido no segundo gol. No terceiro, os jogadores também contestaram a não marcação de uma falta de Müller em Jordi Alba – Robben completou cara a cara com Valdés. O comentarista da TV Globo, Leonardo Gaciba, porém, não considerou irregularidade no lance. De quebra, o Bayern poderia ter obtido vantagem ainda maior se o árbitro húngaro Viktor Kassai tivesse assinalado pênalti de Piqué ainda no primeiro tempo.

Com o reforço ao menos do lateral Adriano para a partida de volta, na próxima quarta-feira, no Camp Nou, o Barcelona precisará de basicamente um milagre para reverter a vantagem dos alemães. Se repetirem o placar, os comandados de Tito Vilanova levarão o confronto para a prorrogação, enquanto um gol do Bayern os obrigará a marcarem ao menos seis vezes por conta do saldo. Na memória recente há uma motivação: em março, pelas oitavas de final, Lionel Messi e companhia conseguiram os 4 a 0 contra o Milan, embora num outro contexto – havia perdido por 2 a 0 na ida na Itália.

O passado, no entanto, em nada ajuda o Barça. Nenhum time foi eliminado de qualquer competição europeia depois de abrir quatro ou mais gols de diferença no primeiro jogo. A derrota sofrida foi ainda a pior do Barcelona desde 1997, quando sofreu os mesmos 4 a 0 do Dínamo de Kiev, pela Liga dos Campeões. Em competições gerais, o “jejum” é reduzido até 2007, quando o Getafe aplicou 4 a 0 pela Copa do Rei.

Bayern domina. E sem a bola

A expectativa era por uma batalha pela bola. O Bayern, segundo maior dono de posse da Champions, desafiava o Barcelona, líder no quesito em seus últimos 301 jogos. A motivação de uma Allianz Arena lotada poderia ainda incentivar os bávaros a saírem para o jogo e tentarem colocar o modelo catalão à prova. Mas o fato é que nada disso foi necessário ao time de Schweinsteiger, Javi Martínez, Ribéry, Müller… A estratégia já estava muito bem definida.

Com 38% do tempo com a bola nos pés, o Bayern soube desafiar o Barça como poucos no mundo. Messi, liberado pelos médicos, poderia não estar 100% fisicamente, mas a impressão é de que não faria tanta diferença no primeiro tempo. Incansáveis na marcação, os bávaros não deixavam o craque argentino tocar na bola com mais de um segundo de liberdade, assim como funcionava – e bem – a vigia sobre Xavi, Iniesta e Busquets.

Chances de perigo? Apenas para os donos da casa. Aos 15, os alemães cobraram do árbitro Viktor Kassai um possível pênalti de Piqué, que colocou a mão na bola após chute de Lahm. O húngaro preferiu ignorar. Mas o gol não demoraria a sair. Aos 24, na maior fraqueza do Barcelona, o Bayern abriu o placar: Robben cruzou da direita, Dante escorou em dividida com Daniel Alves e Müller completou para o fundo das redes.

O Barcelona tentou responder na sequência no que acabou sendo o seu único grande lance de perigo na etapa inicial. Aos 28, Pedro cruzou da direita na direção de Messi, mas Dante se esticou e salvou gol certo dos visitantes com um carrinho. O susto basicamente foi o último suspiro de um primeiro tempo claramente a favor do Bayern, que ainda reclamou de uma outra penalidade quando Dante tocou de cabeça e a bola resvalou no braço de Sánchez.

Müller e companhia engolem o Barça

Tito Vilanova preferiu não mexer na volta do intervalo. Dominado mesmo aparentemente tendo o controle do jogo, o Barcelona acabou punido logo aos três minutos. E de novo na bola aérea. Com média de 1,75m de altura, o Bayern fez prevalecer a sua superioridade no céu com 1,83m e ampliou. Robben cobrou escanteio da direita, Müller, sempre decisivo, cabeceou para o meio e Mario Gómez, adiantado, emendou.

Não adiantou aos catalães reclamarem com a arbitragem. Era preciso também jogar, fazer valer toda a fama conquistada nos últimos anos. Mas só dava Bayern. Aos cinco, Müller arriscou de fora da área, a bola passou perto. Quatro minutos depois foi a vez de a dupla “Robbéry” entrar em ação, mas o francês acabou concluindo para fora após boa jogada do holandês.

Curiosamente nas bolas paradas, o Barcelona encontrou uma maneira de levar perigo. Aos 23, Bartra apareceu livre na frente de Neuer, mas rateou no momento da finalização. Do chute fraco, ele resolveu emendar com força aos 31, quando recebeu em lance semelhante. Àquela altura, porém, o desespero já tomava conta dos catalães: o Bayern havia marcado o terceiro, com Robben.

E em outro lance polêmico. Aos 27, Robben tirou Jordi Alba para dançar, Müller, como numa jogada de basquete, encostou no espanhol, que desabou. O caminho ficou livre para o holandês tocar na saída de Valdés. O comentarista da TV Globo, Leonardo Gaciba, não considerou irregularidade.

O que já parecia ótimo para os alemães se tornou excelente. Todo aberto, o Barça sofreu um golpe que praticamente sepultou suas chances na Liga dos Campeões. Agora pela esquerda, Alaba tabelou com Ribéry e cruzou para Müller, que exercia papel de centroavante, fechar a conta e “antecipar” a Oktoberfest em Munique. Ao menos por uma semana.

FONTE: Globoesporte.com

FOTO: EFE