Home / Colunistas / OPORTUNIDADES PERDIDAS

OPORTUNIDADES PERDIDAS

221020130317_24GABIROBA MARCOS

 

Você tem noção de quantas oportunidades já perdeu em sua vida por causa de prejulgamentos ou preconceitos? Eu fico impressionado com a capacidade que o ser humano tem de prejulgar as pessoas e as situações, o que o leva a perder oportunidades preciosas de crescimento pessoal e profissional.

Se você percebe em si mesmo essa triste tendência, procure observar como anda seus relacionamentos – familiares e profissionais. Com certeza, nada sólidos, porque ninguém aguenta conviver muito tempo com quem não sabe ouvir primeiro para depois opinar, ou com quem é expert em condenar, julgar e acusar, machucando os sentimentos daqueles que estão ao seu lado.

Pela experiência de vida, conheço inúmeras pessoas que, ao prejulgar os outros, só saíram no prejuízo, ou cometeram gafes irreparáveis. Dias desses, vi em um filme o seguinte: Uma jovem havia batido em um carro estacionado e, então, como não encontrou o dono do veículo, deixou um bilhete, fixado no para-brisa, informando o seu nome, o endereço e o número de seu telefone e que ele ligasse para marcar um encontro. Quando o proprietário do automóvel chegou perto do seu veículo, não observou o estrago no seu carro – na porta do outro lado – mas viu o bilhete preso ao para-brisa e, ao lê-lo, numa extrema arrogância, entendeu que a moça estava interessada nele. Fez uma expressão de desprezo, embolou o bilhete e atirou-o na rua. Entrou no seu carro e saiu em disparada, sequer, olhando para o pequeno estrago no seu veículo. Por causa de seu prejulgamento, dá para imaginarmos o seu prejuízo…

Como você já deve saber é muito complicado perder oportunidades por causa de um modo de vida diferenciado e como é difícil lidar com pessoas arrogantes, mal educadas e maledicentes, principalmente quando se comportam como os “donos da verdade”. Esse é um alguém que se acha, sabe tudo, diz o que quer e não aceita opinião de ninguém. Já observaram?

Os arrogantes, as pessoas mal educadas e os sem escrúpulos, geralmente são seres humanos muito orgulhosos e egocêntricos, que só ouvem os outros quando têm algum interesse por trás, não é mesmo?

Sem querer prejulgar a quem quer que seja, verificamos, por exemplo, os adolescentes em sua “síndrome de onipotência”, nem todos claro, quando demonstram esse comportamento. Tudo o que os pais ou pessoas mais experientes lhes dizem é por eles considerado como ultrapassados, e acreditam firmemente que eles e seus jovens amigos é que estão sempre com a razão. Até que um dia, a realidade vem à tona… Acordam e a casa já caiu…

Na vida, existem pessoas que só aprendem pelo amor, e outras que só aprendem pela dor. Aqueles mais dóceis, com uma inteligência emocional mais equilibrada, sabem ouvir e respeitar a opinião alheia e são mais ponderados, concordam? Consequentemente, eles têm uma vida mais calma e encontram muito mais oportunidades de crescimento. Crescimento espiritual, moral e de consistência.

Outro aspecto vital que comumente lidamos no nosso dia a dia são os “donos da verdade”, nas suas pseudos-autoconfiança. Colocam uma ideia na cabeça e são incapazes de aceitar outros pontos de vista, e, infelizmente, só “acordam para a vida” depois de muito sofrimento, decepções e amarguras.

Seja pelo amor, seja pela dor, um dia todos nós aprenderemos as lições que levam a não perdermos oportunidades, e, posteriormente, o sucesso e a felicidade são inevitáveis. Entretanto, se você quer ser feliz agora, cultive em sua vida mais humildade, brandura e bom senso e fuja dos “donos da verdade”. E, isso, só depende de você, pois, o sensível está por toda parte, no meio de nós para fazer a diferença. Ninguém conhece o ser humano pela superfície, mas pela profundidade de seus pensamentos. O ser humano, em potencial, não é um santo, mas todos, indistintamente todos, querendo ou não são anjos. Não somos perfeitos, mas é na imperfeição que mostramos nossas maiores virtudes.

Não é pela casca que queremos ser conhecidos. Queremos, sim, sermos parte num relacionamento íntimo com tudo e com todos que nos cercam. Podem-se cometer erros, fracassar em quase tudo, mas jamais se fracassarão como seres humanos, pois somos criaturas à imagem e semelhança de nosso Criador. Somos árvores que daremos boas sementes. Os frutos são consequências.

Somos incompreendidos, às vezes, odiados, porque muitas vezes não sabemos expressar quem somos de verdade. Somos, ainda, um diamante bruto que precisa de muito tempo para ser lapidado para depois brilhar. Por isso, seja pelo amor, seja pela dor não perca sua oportunidade de ser bom e honesto, fugindo dos “donos da verdade”, porque, respeitando qualquer entendimento contrário e sem a pretensão de fazer um juízo precipitado, somos, também, santos do pau oco, não é mesmo? “Lamentar as oportunidades perdidas é uma forma de impedir o próprio desenvolvimento” (Oscar Wilde, 1854-1900). Pense nisso.

Fonte: Marcos Evangelista Alves – O Gabiroba

Por Itafatos

Scroll To Top