sexta-feira , 24 novembro 2017
15 de Maio de 2013

Pesquisa mostra que mulher desconhece relação entre câncer do colo do útero e HPV

Infecção por esse vírus aumenta em até cem vezes o risco de a mulher desenvolver esse tipo de doença

Uma pesquisa mostrou que 66% das mulheres brasileiras não acham que existe relação entre a infecção pelo vírus HPV (papilomavírus humano) e o câncer do colo do útero. A infecção por esse vírus aumenta em até cem vezes o risco de a mulher desenvolver a doença.

Para o levantamento, feito pela Associação Brasileira de Patologia no Trato Genital Inferior e Colposcopia em parceira com o Ibope, foram ouvidas 700 mulheres com idade entre 16 e 55 anos, em seis capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre e Recife). O objetivo foi entender a percepção feminina sobre o assunto. Descobriu-se que 18% das mulheres nunca fizeram o exame papanicolau – principal forma de detectar as lesões que podem levar ao câncer do colo do útero – e 13% fizeram apenas uma vez. Além disso, 40% das mulheres não acham que os exames de rotina podem servir como forma de prevenção à doença.

Também de acordo com o estudo, 76% das mulheres não relacionam a vacinação contra o HPV como forma de prevenção ao câncer do colo do útero. Estudos mostram que, embora o HPV seja comum (80% das pessoas já foram infectadas ao menos uma vez na vida), ele é responsável pelo surgimento do câncer do colo do útero em algumas mulheres mais suscetíveis. Por isso, prevenir o vírus é fundamental, destaca o presidente da associação, Garibaldo Mortoza Júnior. “Enviamos como recomendação ao Ministério da Saúde um pedido para que essa vacina seja incorporada ao calendário oficial.”

O professor da Universidade Federal do Paraná Newton Sérgio de Carvalho reforça a segurança oferecida pela imunização. Ele explica que a vacina é elaborada a partir de uma partícula semelhante ao vírus, produzida com base na engenharia genética. “É impossível alguém se infectar ao tomar a vacina, ela é confeccionada com a ‘capa’ do vírus”, disse. Segundo o professor da Universidade Federal de São Paulo José Focchi, a aplicação da vacina contra o HPV é totalmente eficaz antes da primeira relação sexual. Após cinco anos de atividade sexual, 60% das mulheres se infectam com algum dos 130 genótipos do HPV, sendo que os mais comuns são os tipos 16 e 18, que correspondem a 70,7%. Mulheres mais velhas que recebem a vacina também podem ter benefícios, embora contra uma quantidade menor de genótipos. “Aquela paciente que já teve HPV e toma a vacina pode se beneficiar contra os outros tipos”, disse. “À medida que passa o tempo, o organismo também pode eliminar o vírus”, completa.

Para alertar as mulheres sobre a importância da prevenção, a associação lançou a campanha “Mulheres Semeiam Vida”.

 Fonte: O Tempo