sábado , 21 outubro 2017
3 de maio de 2013

Servidores municipais de Itabira acenam “trégua” nas paralisações após reunião com vereadores

vereadores_ind-418x215Servidores municipais de Itabira acenaram por uma trégua nas paralisações, caso o prefeito Damon Lázaro de Sena, concorde com a proposta dos servidores em mudar um dos artigos do Decreto que prevê reajustes no cartão alimentação da categoria. A decisão foi apresentada pelo sindicato (Sintsepmi), após reunião das Comissões permanentes da Câmara de Vereadores, realizada nesta quinta-feira (02), por causa do feriado do Dia do Trabalho, comemorado anteontem (01/05).

A decisão de aguardar uma resposta do Governo Municipal veio depois de Comissões da Câmara darem parecer  favorável a votação do Projeto de Lei do Executivo concedendo reajuste ao funcionalismo público. O Projeto prevê reposição salarial de 6,2%, nos termos da Constituição Federal, à partir de 01/03, mais revisão geral de 3%8 dos vencimentos acumulados nos últimos 10 anos, tendo como base 17,62% de inflação e ainda salário mínimo de R$750,00 para todos os servidores.

Depois de várias horas de discussões com os vereadores, líderes sindicais, e representantes dos servidores, acordaram que a Câmara Municipal enviasse ofício ao Prefeito, apresentando “o desfecho” da reunião. O documento assinado pelos vereadores diz respeito ao Artigo 1 do Decreto que prevê a proposta de reajuste do cartão alimentação. Os servidores reivindicam ao Prefeito que modifique trechos do Artigo 1, retirando do Decreto proposta que não permitiria o benefício do cartão alimentação de R$150,00 para o servidor que ultrapassasse o teto máximo da remuneração mensal(R$ 1.350,00) com pagamentos de “horas extras, quinquênio e insalubridade”, permitindo assim o benefício do cartão a mais servidores. A proposta em Ofício propõe ainda que o Decreto seja revisto e apresentado na Câmara como Projeto de Lei.

Ainda assim, de acordo com diretores do sindicato, os servidores permanecerão mobilizados até a próxima segunda-feira, dia 6, quando terminaria o prazo de resposta do Governo à reivindicação apresentada no Ofício assinado pelos vereadores. Ainda, conforme os sindicalistas, a categoria aguardará o cumprimento da proposta em greve, na frente da prefeitura, e que só após um possível acordo, baseado em melhorias do benefício (cartão alimentação), poderá por fim à greve, pelo menos até agosto, quando uma nova reunião está agendada com o prefeito.

Fonte Via Comercial