sábado , 19 agosto 2017
25 de abril de 2013

Torcida mineira não perdoa Galvão e Neymar em tropeço da seleção

A torcida mineira não foi muito receptiva com a seleção brasileira. Mesmo antes do apito inicial, os presentes no estádio do Mineirão já começavam com alguns gritos ofensivos. O primeiro deles foi em homenagem ao narrador Galvão Bueno. “Ei, Galvão, vai tomar no c…”, cantava a torcida nos 30 minutos que antecederam o amistoso.

A bola rolou e o alvo das cornetas foi Neymar. Com uma música parecida, apenas trocando o nome do “homenageado”, o santista foi ofendido pelo público após desperdiçar um gol frente a frente com o goleiro Johnny Herrera, ex-Corinthians.

neymar--reuNo segundo tempo, nos minutos finais, Neymar voltou a ser lembrado pelos presentes. Agora, o atacante santista era chamado de pipoqueiro. Apesar das ofensas, o atleta disse ignorar as críticas.

“”As vaias não fazem bem, ninguém gosta disso. Eu não estou nem aí. Em todo lugar que vamos com a seleção somos vaiados”, falou.

Quem também foi alvo de vaias foram os jogadores do Atlético-MG e Cruzeiro. Ronaldinho Gaúcho e Réver, representantes do Galo, eram ofendidos pelos fãs do rival e o mesmo acontecia com o recém-chegado Dedé, só que os xingamentos vinham por parte dos atleticanos.

Outro representante do Atlético-MG a ser alvo de vaias foi Marcos Rocha. Ao entrar na vaga de Jean, na etapa final, o lateral teve de lidar com o “carinho” dos torcedores.

Ainda no segundo tempo, os representantes da seleção ainda tiveram de ligar com gritos de “olé” a cada passe dado pelos chilenos.

FONTE: UOL