Home / Geral / AVIÃO COM MENSALEIROS CHEGA A BRASÍLIA

AVIÃO COM MENSALEIROS CHEGA A BRASÍLIA

Na capital federal os condenados vão ficar presos na carceragem da PF, até a decisão do presidente do STF, Joaquim Barbosa, que deve anunciar onde cada um deles irá cumprir a pena.

   

A aeronave da Polícia Federal (PF) chegou no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, às 17h47 deste sábado. O jato decolou do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, em direção a Brasília às 16h50, carregando nove dos 12 mensaleiros, que receberam ordem de prisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Eles deverão ser levados à Superintendência da PF no Distrito Federal. Mais dois réus já estão na superintendência da PF: o ex-tesoureiro do PL (atual PR) Jacinto Lamas e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. 

   

O avião, que veio de São Paulo, chegou em Belo Horizonte às 15h20, trazendo José Genoino e José Dirceu. Na Pampulha embarcaram os sete detidos, que se entregaram na sede da PF na capital mineira. Marcos Valério, Cristiano Paz, Romeu Queiroz, Ramon Hollerbach, José Roberto Salgado, Kátia Rabelo e Simone Vasconcelos aguardavam a chegada do avião desde às 14h45, depois de passarem pelo exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) em BH.

 A transferência para Brasília foi feita porque cabe ao juiz da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal executar as penas. No entanto, os réus poderão pedir para cumprir a pena nas cidades onde moram. A tendência é que todos permaneçam na superintendência da PF neste fim de semana.

As prisões dos condenados foram decretadas ontem pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Dos 12 mandados de prisão somente um não foi cumprido, o do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, que está na Itália e é considerado foragido pela Polícia Federal.

Sete réus apresentaram-se ontem à Polícia Federal em Belo Horizonte (MG): José Roberto Salgado, ex-vice-presidente do Banco Rural; O publicitário Marcos Valério; Kátia Rabello, ex-presidenta do Banco Rural; o ex-deputado federal Romeu Queiroz (PTB-MG); Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, ex-sócios de Marcos Valério; e Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Valério.
 

Dois réus entregaram-se em São Paulo: o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, e o ex-presidente do PT e deputado federal (SP) José Genoíno. Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL (atual PR), e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares apresentaram-se em Brasília.

 Os réus e as condenações
 Marcos Valério, empresárioPena total: 40 anos, 4 meses e 6 diasCumprirá pena por corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha.Crimes: corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilhaMulta: R$ 3,06 milhões
Simone Vasconcelos, ex-diretora financeira da SMP&BPena total: 12 anos, 7 meses e 20 diasCrime: corrupção ativa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.Multa: R$ 263,9 mil
 Romeu Queiroz, ex-deputado do PTB-MGPena total: 6 anos e 6 mesesCrimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiroMulta: R$ 828 mil
 Jacinto Lamas, ex-assessor parlamentar do extinto PLPena total: 5 anosCrime: lavagem de dinheiroMulta: R$ 260 mil
 enrique Pizzolato, ex-diretor de Marketing do Banco do BrasilPena total: 12 anos e 7 mesesCrimes: corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculatoMulta: R$ 1,316 milhão
Kátia Rabello, ex-presidente do Banco RuralPena total: 16 anos e 8 mesesCrimes: lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilhaMulta: R$ 1,5 milhão
 José Roberto Salgado, ex-executivo do Banco RuralPena total: 16 anos e 8 mesesCrimes: lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilhaMulta: R$ 1 milhão
 Ramon Hollerbach, publicitárioPena total: 29 anos, 7 meses e 20 diasCrimes: corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilhaMulta: R$ 2,79 milhões
 Cristiano Paz, publicitárioPena total: 25 anos, 11 meses e 20 diasCrimes: corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilhaMulta: R$ 2,53 milhões

Marina Rigueira – Estado de Minas

Felipe Castanheira

Scroll To Top